Home » Favela da Vila Prudente » A histórica luta da Favela da Vila Prudente por saneamento

Só 50, 3% da população do Brasil tem esgoto coletado, e somente 42% desse  dessa coleta é tratado


A favela da Vila Prudente recentemente recebeu novas instalações de esgotos em diferentes localidades para ajudar muitos moradores. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) a cada R$ 1,00 investido outros R$ 4,00 são economizados pelos governos mundo a fora. Porém, esse investimento não é da alçada dos importantes investimentos a serem feitos pelos sucessivos governos de nosso País, Estado e Cidade. Outrora, nossa querida Favela da Vila Prudente foi um local no qual para se ter esgoto os moradores tiveram que se unir junto as organizações sociais para conseguir ter.

Segundo o Ranking do Saneamento – As 100 maiores cidades do Brasil (SNIS 2015), Franca é a que tem os melhores índices de sanemaneto básico. A cidade do interior de São Paulo é onde todos os moradores tem acesso a água tratada, rede de esgoto e que todo o esgoto é tratado.

14444670_1130999970318445_5797069941058703814_o

Segundo o Trata Brasil, em São Paulo, a cidade mais rica do País, o esgoto de mais de 5 milhões de moradores vai diretamente para os rios da cidade. O organismo de pesquisa ainda indica no levantamento que a cidade tem inúmeros bolsões esquecidos pela companhia de abastecimento de São Paulo, Sabesp.

Acesso ao bom saneamento básico no mundo é importante desde sempre. Segundo o presidente-executivo do Instituto Trata Brasil, Edison Carlos, o Brasil não pode mais sequer discutir em relação ao saneamento básico. “É obrigatório e um direito humano ter saneamento”, disse em entrevista ao Fantástico da Rede Globo.

Neste ano de 2017 a Lei do Saneamento Básico (11.445/07) completa 10 anos e um levamentamento feito pela Clara Velasco, do G1, dá nota de que o acesso à coleta de esgoto passou de 42% para 50,3%; já o de abastecimento de água passou de 80,9% para 83,3%, apenas mais de 3% em 10 anos conseguiu acesso a água potável.

O Tribunal de Contas da União, órgão responsável pela fiscalização do quanto e como o dinheiro é gasto por presidentes, constatou que duas das causas para que esse crescimento tenha sido menos de 5% é a falta de obras ou obras feitas de maneira errada. Segundo o ministro-substítuto do TCU, Weder de Oliveira, “falta investimentos, falta recursos e falta gestão”.

A falta de saneamento adequado traz não apenas problemas sociais ao país, mas também ambientais, financeiros e de saúde, já que é um fator importante na disseminação de doenças. “O saneamento é a estrutura que mais benefícios traz para a população. O ‘básico’ do nome não está ali à toa, é a estrutura mais elementar e a mais relevante”, afirma o presidente-executivo do Trata Brasil.

Por isso, a questão da melhora dos índices e da própria universalização se torna tão urgente na pauta do país.
Acontece que para nós moradores de favelas esses dados não refletem tamanha dificuldade que é para sobreviver sem os devidos tratamentos.

Com os recentes avanços do acesso a este princípio na Favela da Vila Prudente uma discussão que não sai de pauta é a necessidade disto para todos os moradores. Ao caminhar pelas vielas e becos ainda vemos localidades com dificuldades de coleta de esgoto, que embora não tenha acesso são cobradas nas faturas da concessionária de abastecimento.

A falta deste serviço para as pessoas ocasiona substancialmente a contrair diversas doenças, parte delas com poder de levar até a morte, como é o caso da Dengue, Zika e Chicungunha, todas transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti. E os últimos anos com relação a essas doenças não foram fáceis para os moradores locais, só em 2014/2015 mais de 30 pessoas contraíram da Dengue ocasionando na lotação de unidades de saúde da região.
Além dessas doenças mais perigosas, há outra infinidade de possibilidades, uma delas e mais comum é a diarréia, que ocorre principalmente pela falta de saneamento básico ou higiene, alimentos e água contaminados.

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO – Foi elaborado e lançado em 2014 pelo governo federal para servir de base para o setor. O plano estabelece metas de curto, médio e longo prazo com base em indicadores de água, esgoto, manejo de resíduos sólidos, drenagem e manejo de águas pluviais e gestão dos serviços de saneamento. Há metas de universalização dos serviços, de diminuição dos índices de desperdício de água, de erradicação de lixões, entre outros.

Segundo o plano, o custo para universalizar os quatro serviços (água, esgoto, resíduos e drenagem) é de R$ 508 bilhões entre 2014 e 2033. Já para a universalização de água e esgoto, o custo será de R$ 303 bilhões. No entanto, o presidente-executivo da da Trata Brasil, bastou apenas um ano após a edição do plano para que os cenários estabelecidos nas metas ficassem sem rumo por causa dos diferentes índices previstos de inflação e de crescimento do PIB.

AÇÕES PEQUENAS PODEM LEVAR A DIMINUIÇÃO DE DOENÇAS – A água contaminada e o contato com redes de esgoto abertas podem transmitir diversas doenças para a população. Tais como diarréia infecciosa, leptospirose e hepatite do tipo A. Essa transmissão, muitas vezes, acontece quando fezes humanas ou de animais entram em contato com os reservatórios que abastecem um grupo de pessoas.

Se o recurso não passar por um processo de tratamento adequado, qualquer um pode adquirir doenças por meio da ingestão, contato com a pele ao tomar banho, ou ao consumir alimentos preparados com tal água infectada. Listamos quatro cuidados básicos a se tomar para se previnir:

1) Não entre em praias, rios e lagos onde é despejado esgoto sem tratamento;
2) Mantenha animais longe de áreas onde a água é usada para o consumo humano, especialmente o gado e a criação de porcos;
3) Desinfete a água com produtos químicos, como o cloro, quando a região não garantir redes de saneamento adequadas. Filtros ou purificadores podem também ser utilizados para eliminar possíveis contaminações ocorridas ao passar pelo encanamento da casa, embora a água tratada pelo sistema de abastecimento público seja suficiente em muitas cidades.
4) Cuide da higiene. Lave as mãos com água e sabão sempre após usar o banheiro e antes de manipular alimentos. Procure também não beber em copos de outras pessoas.
Além dessas, lavar e desinfetar superfícies, utensílios e equipamentos antes da preparação da comida, por exemplo, além de proteger a cozinha contra insetos e animais de estimação, são passos fundamentais.

Deixe um comentário

comentários